CURITIBA LARGA NA FRENTE E CICLISMO É POLÍTICA PÚBLICA

Projeto apresentado na na última quinta-feira (26/4) mostra como a capital paranaense, grande celeiro de ciclistas, está à frente de outras capitais do país quando o assunto são as políticas públicas voltadas para a prática do ciclismo e do uso da bicicleta. O novo projeto trabalhado por muita gente com forte ligação histórica com a modalidade e beneficiará entidades e esportistas com a realização um novo calendário de competições na cidade; a proposta de Curitiba vai contemplar diversas categorias, desde a iniciação esportiva para crianças até alta performance

O diretor de esporte da Smelj, Carlos Pijak fala do Ciclismo Curitiba-  Foto:Cesar Brustolin/SMCS

A capital paranaense poderá estar saindo à frente de outras cidades do país ao apresentar um programa para o desenvolvimento do ciclismo. O projeto foi  desenvolvido e terá a coordenação da Secretaria Municipal do Esporte, Lazer e Juventude (Smelj).  Na essência o programa buscará  estimular a prática do ciclismo desde da infância até as competições de alta performance e é baseado em quatro eixos: ciclismo escolar, ciclismo como forma de lazer, ciclismo como atividade física e ciclismo de rendimento.

Durante a apresentação do projeto, o secretário municipal do Esporte, Lazer e Juventude, Emílio Trautwein, ressaltou que a iniciativa contempla diversas categorias e envolve crianças, adultos e idosos. “É um trabalho de um ano desenvolvido pela secretaria em diálogo com a comunidade”, destacou. “O Ciclismo Curitiba vai desde o aprender a andar de bicicleta até a parte do alto rendimento.”, dando um sinal de como as autoridades interpretam a bicicleta e o seu uso.

Secretário municipal do Esporte, Lazer e Juventude , Emílio Trautwein apresenta o projeto Ciclismo Curitiba –  Foto:Cesar Brustolin/SMCS

Além das vertentes competitivas, o ciclismo recreativo é um forte componente do programa. Atualmente, a Prefeitura promove o programa Pedala Curitiba nas dez regionais da cidade. “Quando prefeito Rafael Greca assumiu o cargo eram somente quatro regionais”, lembrou Trautwein. O Pedala Curitiba é um passeio noturno que estimula a prática de atividades físicas e incentiva o uso da bicicleta como meio de transporte.

O evento de lançamento teve presença marcante  de representantes da federação, do poder público,  clubes e esportistas  que manifestaram o entusiasmo com a nova proposta para a cidade. O presidente da Federação Paranaense de Ciclismo, Eduardo Pereira, ressaltou a importância do trabalho em parceria. “Estamos construindo o esporte de base e isso é fundamental para o Estado do Paraná”, afirmou.

O professor Adir Romeu e seu incansável trabalho para o desenvolvimento do ciclismo, agora junto à Secretaria Municipal do Esporte, Lazer e Juventude   – foto: Cesar Brustolin/SMCS

O primeiro eixo do programa é o ciclismo escolar, focado na iniciação esportiva e no desenvolvimento dos fundamentos e habilidades. Para isso, a modalidade será inserida nos Jogos Escolares e será feito o Festival EE10 envolvendo as escolas municipais. O festival vai possibilitar às crianças conhecerem o centro de treinamento da equipe permanente da Smelj, além disso será realizadas atividades familiares e de desenvolvimento motor.

O segundo eixo,  está direcionado para o ciclismo como forma de lazer, e tem o objetivo o despertar do gosto pelo ciclismo e de fomentar o uso da bicicleta para atividades recreativas. Por ele serão promovidas atividades educativas e passeios ciclísticos, como o do aniversário de Curitiba. O passeio é uma atividade aberta à população, com formato recreativo e orientações de trânsito.

O terceiro eixo é ciclismo como atividade física, voltado para promoção da saúde e qualidade de vida. Nele serão feitas ações sistemáticas monitoradas, como o Pedala Curitiba. O programa propõe o Tour Curitiba, que vai unir os participantes do Pedala Curitiba em um circuito com exigência física um pouco maior.

O último eixo é ciclismo de alto rendimento que tem foco no desenvolvimento de esportistas, na formação de equipes e na realização de competições. O programa cria um calendário de provas para as diversas disciplinas do ciclismo.

Participaram o diretor de esporte da Smelj, Carlos Pijak; o coordenador de ciclismo da Smelj , Adir Romeo; a técnica da equipe permanente de Curitiba, Fabiana Ribeiro de Assis; o coordenador do programa Pedala Curitiba, Marcelo Miranda e o coordenador de desempenho da Smelj, Maurício Broca.

O projeto recebeu a aprovação de  ciclistas que compareceram à apresentação do novo programa, um bom exemplo é  Willians Sada, que afirma ser a primeira vez que enxerga políticas tão consistentes do poder público para promover o ciclismo. “É um primeiro passo e está em uma boa direção. A ideia é envolver as crianças e isso é fundamental”, comentou. A atual presidente do Sindicato dos Atletas Profissionais do Paraná, Cynthia Duarte que em 22 anos esteve envolvida não só como competidora, mas desenvolvendo atividades  instituições ligadas ao esporte, elogiou as inovações oferecidas pelo programa comentou: “Nos encanta muito ver esse tipo de projeto em ação”.

1 comentário em CURITIBA LARGA NA FRENTE E CICLISMO É POLÍTICA PÚBLICA

  1. Cesar disse:

    Acho importante incentivar o esporte (ciclismo), porém devemos abrir os olhos do poder legislativo e executivo municipal para que parem de jogar fora o nosso dinheiro (impostos) fazendo ciclovias que mal podem ser utilizadas lois foram construídas na João Negrão (*1) e ao lado da canaletas do Boqueirão (*2), e não podem ser utilizadas pois tem um péssimo revestimento (asfáltico) que por ser construído sem planejamento já está todo destruído pelas raízes das árvores(*1) e no segundo caso (*2) coloca em risco a ontegridade física dos ciclistas pois dividem espaço com os carros na via e com a abertura das portas dos carros estacionados. Isto se não contarmos com as mudanças de lado devido aos terminais de ônibus.Sei que existe controvérsia, mas considero mais seguro andar na canaletas do expresso, mesmo sendo proibido.

Deixe um comentário