JOGOS SUL-AMERICANOS DA JUVENTUDE: CICLISMO TRAZ 5 MEDALHAS E MOSTRA A NOVA GERAÇÃO

No último domingo (08/10) foi encerrada a segunda edição dos Jogos Sul-Americanos da Juventude, disputados em Santiago. O Time Brasil encerra a competição na primeira posição com 162 medalhas, e o ciclismo brasileiro volta do Chile com 5 medalhas na bagagem. Como destaques dessa nova geração, dois jovens que trazem cada um duas medalhas:   Amanda Kunkel com a medalha de prata na Perseguição Individual e o bronze no  CRI e Gustavo Xavier, bronze Mountain Bike Cross Country e na prova de Estrada

Amanda Kunkel conquistou sua primeira medalha na CRI dos Jogos Sul-Americanos  – foto: Wander Robert/Exemplus/COB

Em nove dias de competições, jovens esportistas  de 14 a 17 anos puderam medir suas qualidades na segunda edição dos Jogos Sul-americanos da Juventude, disputados em Santigado, no Chile.  O ciclismo se fez presente na programação esportiva  nas disputas das provas de  Estrada (Resistência e Contra o relógio Individual) , Pista (Perseguição Individual, Velocidade por Equipes, Omnium), Mountain Bike (Eliminator e XCO) e BMX (Racing). A Confederação Brasileira de  Ciclismo selecionou para a competição Vinicius Guimarães, Artur Simeoni, Gustavo Xavier, Pedro Pussieldi, Amanda Kunkel e Lauren Vieira  que estiveram sob o comando de Emerson Silva.

Gustavo Xavier conquistou a medalha de bronze na prova de XCO disputada no Cerro San Cristóbal- Photosport/Santiago2017

A jovem delegação brasileira regressou ao pais com cinco medalhas na bagagem e com destaque para o desempenho da atual campeã brasileira juvenil de contra-relógio e resistência: Amanda Kunkel que obteve  a medalha de bronze no contra-relógio individual, , a prata na perseguição individual  e um 4º lugar no Omnium.  Outro que se destacou em duas modalidades completamente diferentes foi Gustavo Xavier ganhador de duas medalhas de bronze, uma no Mountain Bike Cross Country e outra na prova de resistência de ciclismo, além disso  esteve muito perto de obter mais um bronze ao concluir com o 4º melhor tempo a prova de mountain bike eliminator.  A outra medalha da delegação veio com a dupla Vinicius Guimarães e Pedro Pussieldi  que obteve o bronze na velocidade por equipes, disputada no velódromo Peñalolén .

Ao final do evento o técnico da seleção brasileira de ciclismo avaliou o desempenho da delegação nos Jogos Sul-Americanos da Juventude: “Os atletas apresentaram um nível bastante alto durante todas as provas. Nossa equipe foi evoluindo com o passar dos dias e aos poucos conseguimos encontrar o equilíbrio necessário para brigar por medalhas. Todos os nossos atletas estão de parabéns pelo desempenho. O ciclismo encerra sua participação contribuindo com cinco medalhas para o Time Brasil e isso é muito importante para a modalidade”

O cross country eliminator abriu a programação de disputas do ciclismo.  A competição foi realizada no Parque Metropolitano, no Cerro San Cristóbal em um circuito de aproximadamente 700 metros. Sob chuva intensa, 18 competidores (8 mulheres e 10homens)  encararam o desafio. No feminino, sem a participação de brasileiras, a chilena Catalina Vidaurre , em sua primeira participação neste tipo de competição, conquistou o ouro ao cobrir o percurso em 3m04s. Na prova masculina os colombianos fizeram a dobradinha com Jerónimo Bedoya (2m08)  e Brayan Zubieta (2m10), o brasileiro Gustavo de Oliveira registrou o 4º tempo.

Aos 16 anos Bedoya faturou no dia seguinte a sua segunda medalha de ouro, vencendo a prova de XCO disputada também no Cerro San Cristóbal, mas em um circuito de 2,5 km  bastante técnico e desafiador com as dificuldades aumentadas pelas chuvas que caíram no dia anterior e deixaram o piso bastante escorregadio e pesado.  A medalha de prata ficou com o equatoriano Romulo Moscoso e na terceira posição, conquistando o bronze ficou o brasileiro Gustavo de Oliveira.

O colombiano Jeronimo Bedoya dominou as provas de MTB levando o ouro no Eliminator e no XCO – Photosport/Santiago2017

Após a premiação Gustavo comentou a sua conquista: “Competir contra atletas de vários países é sempre um desafio diferenciado. A prova foi bastante rápida, mas consegui me posicionar bem desde a largada e fiquei feliz com o resultado. Os jogos estão sendo uma experiência muito legal. Todos nós estamos aprendendo muito aqui e isso é importante para continuarmos evoluindo dentro do esporte”.

No feminino a Colômbia conseguiu uma dobradinha no cross country  com Ana Sofia Villegas e com Isabella Alban, o bronze ficou com a chilena Catalina Vidaurre. Aos 15 anos , a colombiana Ana Sofia obteve sua segunda medalha nas probas de mountain bike destes sul-americanos, no dia anterior havia conquistado a prata no Eliminator, e mostra-se como um dos grandes nomes para o futuro. “Este premio representa fechar uma temporada perfeita. Cumpri meus objetivos: o Pan americano, o campeonato nacional e agora o sul-americano” comemorou.

A disputa do Contrarrelógio Individual  foi realizada na Avenida  Libertador Bernardo O’Higgins, tendo ao fundo do circuito  Palácio de la Moneda, sede da presidência do Chile.  As garotas pedalaram em um circuito de 4 km. A  argentina Daniela Muñoz registrou 5m57s30, o melhor tempo do dia e conquistou a medalha de ouro, a prata ficou com a colombiana Maria Camila Atahualpa e o bronze ficou com a paranaense Amanda Kunkel que cruzou a meta a 5s60 da vencedora.4

Amanda Kunkel recebendo a medalha de bronze do CRI foto: WanderRobert/Exeplus/COB

Aos 15 anos Amanda é uma revelação dos Jogos Escolares da Juventude, em duas participações ela já conquistou sete medalhas e no Chile mostrou que tem tudo para se destacar no ciclismo esporte que pratica a três anos.  Após receber sua medalha a garota  declarou  “É muito emocionante conseguir subir ao pódio em uma competição desse nível. Estou muito feliz e agradecida por poder estar aqui representando o meu país”, e ainda comemorou o apoio recebido por torcedores que prestigiaram o evento,  “Foi uma coisa muito legal. Eu não esperava tantos brasileiros assistindo e gritando o meu nome. É um incentivo. A cada grito era um empurrãozinho”.

Os garotos pedalaram em um circuito de 6 km e o ouro ficou com os donos da casa. Héctor Quintana  marcou o melhor tempo e colocou uma vantagem superior a 4 segundos, sobre o colombiano Miguel Ángel Hoyos, e mais de 6 segundos sobre o argentino Rodrigo Corro.  O brasileiro Artur Guarda Simeoni registrou o 4º tempo, ficando a 10 segundos do vencedor e a menos de 4 segundos do argentino que levou o bronze.

As provas de pista foram disputadas no velódromo de Peñalolén inaugurado em 2014 e que já recebeu os jogos Sul Americanos e em 2015 o Pan Americano de pista. A prova de Omium abriu o programa, mas por se tratar de competidores muito jovens, a disputa é feita em dois dias subsequentes (as provas aconteceram nos dias 3e 4 de outubro) .   O Brasil entrou na disputa com Amanda Kunkel e Vinicius Guimarães da Cruz.

A brasileira Amanda Kunkel na disputa da prova e Eliminação do programa da Omnium – Photosport/Santiago2017

A prova masculina esteve muito disputada e na falta de competidores de outros países do continente, seleções da Argentina, Chile, Colômbia, Venezuela e Uruguai estavam com 2 ciclistas cada o que ainda tornava a prova mais complicada pois o jogo de equipe apareceu.

O grande nome da prova foi o colombiano Miguel Ángel Hoyos que fez a segunda posição no scratch, tempo race e na eliminação  e arrematou a competição na prova por pontos confirmando a medalha de ouro ao totalizar 126 pontos , o colombiano já havia conquistado a prata no CRI . A prata ficou para o chileno Jacob Decar que apesar de um inicio mediano no scratch e na tempo race, se recuperou ao vencer a eliminação e também ao sair à caça de pontos e fechando a prova por pontos como maior pontuador, o que lhe garantiu o segundo lugar no pódio. O argentino Rodrigo Corro conquistou a sua segunda medalha de bronze ao somar 118 pontos.  O brasileiro Vinicius Guimaraes da Cruz enfrentou  dificuldades ao longo da competição, segundo informa a CBC o ciclista teve problemas mecânicos e ainda se envolveu em uma queda. Foi 11º no Scratch, 5º na tempo race, 8º na eliminação, na prova por pontos somou apenas um ponto, encerrando a participação com a 9ª colocação e 79 pontos.

Vinicius Guimarães da Cruz representou o Brasil nas disputas da Omnium – Photosport/Santiago2017

Na Omnium feminina a luta pelo pódio ficou entre a chilena Catalina Soto e as colombianas Maria Camila Atahualpa e Elizabeth Castaño.  A chilena ficou em 2º no Scratch e na Tempo Race e venceu a eliminação. A colombiana Atahualpa venceu o Scratch, a tempo Race e foi 3ª na eliminação. Assim as duas entraram empatadas, com 116 pontos para a disputa da Prova por Pontos.  A chilena foi mais consistente e venceu três dos quatros sprints intermediários garantindo ao final 8 pontos de vantagem sobre a colombiana. Na terceira posição ficou Castaño  com 116 pontos. A brasileira Amanda Kunkel ficou em posições intermediárias ao longo do programa (scratch/5ª, Tempo/7ª,Eliminação/7ª) na prova por pontos ainda venceu o sprint final (que vale o dobro de pontos) mas não foi o suficiente para chegar ao pódio, ficando com a 4 ª colocação.

O pódio da perseguição individual masculina foi um duelo entre colombianos e chilenos. Pelo ouro, o colombiano Miguel Angel Hoyos conquistou sua terceira medalha – a segunda de ouro – ao superar na final ao chileno Hector Quintana. Pelo bronze, o colombiano, Andres Pardo  foi mais rápido que o local Hardy Scheihing. O brasileiro Artur Guarda Simeoni registrou o 7º tempo ficando a mais de 10 segundos do melhor tempo de classificação, obtido por Hoyos.

Na prova feminina da perseguição a brasileira Amanda Kunkel na fase classificatória registrou  2m38s012 – melhorando sua marca pessoal e também colocando-se com o segundo melhor tempo, o que lhe garantiu o acesso à final contra a chilena Catalina Santos.

Artur Simeoni registrou o 7º tempo na perseguição individual – Photosport/Santiago2017

No confronto direto, a chilena, acostumada com a pista e correndo com a torcida  a seu favor,  conquistou o ouro com o tempo de 2m32a127. Amanda conquistou a medalha de prata – sua segunda medalha na competição e ainda melhorou seu tempo registrando 2m34s507. Ao final da competição declarou: “Estou anciosa para chegar com as medalhas em casa. Ainda não caiu a ficha. Participar de um evento desta grandeza já é um grande sonho, ganhar duas medalhas então é muito emocionante. A prova de hoje foi bastante difícil, exigindo regularidade e força. Qualquer detalhe poderia tirar as chances de medalha, mas acabou tudo dando certo e consegui terminar com a prata para o Brasil”.

O último evento na pista do velódromo de Peñalolén foi a disputa a velocidade por equipes aonde apenas 4 equipes disputaram a prova feminina e 5 a masculina.

No feminino confirmou-se o bom desempenho apresentado pelas venezuelanas na fase classificatória, e assim a dupla da republica bolivariana superou as chilenas na final. Na disputa pelo bronze  as colombianas tiveram uma vitória sobre as argentinas.

A dupla da Venezuela ficou com o ouro na Velocidade por equipes feminina – Photosport/Santiago2017

No masculino os argentinos fizeram o melhor tempo (33s594) na fase classificatória e conquistaram o direito à disputar a medalha de ouro contra os donos da casa que obtiveram a segunda melhor marca  (33s751). No confronto direto os argentinos mais uma vez superaram os chilenos e ficaram com o ouro.

O Brasil se apresentou com uma mudança em sua formação,  com o técnico Emerson Silva apostando mais uma vez em usar um piloto de BMX  numa prova de velocidade, para isso o escolhido foi o piloto Pedro Pussieldi que substituiu Artur Guarda Simeoni  fazendo dupla com Vinicius Guimarães .    Os dois conseguiram classificar o Brasil com o terceiro melhor tempo (34s341) para enfrentar a Colômbia pelo bronze. No mano a mano pela medalha os brasileiros repetiram o bom desempenho conquistando a medalha por uma vantagem de 473 centésimos de segundo.

O estreante na pista, Pedro Pussieldi comentou sua atuação:  “Participar dessa prova no ciclismo de pista foi um desafio. Como eu sou piloto do BMX acabo treinando muita explosão, então a função estabelecida pelo técnico para fazer a primeira volta na prova de velocidade deu muito certo. Conseguimos fechar com a medalha de bronze e ficamos muito contentes com o resultado”.

No sábado (07/10) aconteceram as disputas das provas de BMX-racing na pista do complexo Peñalolén – ao lado do velódromo . O Brasil esteve representado por Lauren Castanho e Pedro Pussieldi.

Para passar à final os pilotos deveriam somar seus resultados após 3 baterias. Lauren Castanho conseguiu dois 4º lugares e um 5º classificando-se na 4ª posição em seu grupo (havia 2 grupos na disputa). Pedro  Pussieldi passou para a final na 3ª posição  após obter um 2º, 4º e 5º lugar – empatado com o chileno Mauricio Ignacio Molina, ambos com 11 pontos.

A colombiana Ana Cadavid lidera a bateria final seguida pela chilena Martina paz e pela brasileira lauren Castanho – Photosport/Santiago2017

Para as final, apesar e jovens, tanto no masculino como no feminino, havia pilotos de grande experiência internacional com participações em finais pan-americanas e mundiais, com um nível muito forte.

Na final masculina os colombianos Juan Ramirez e Samuel Zapata fizeram a dobradinha no pódio, ficando com o ouro e a prata – Juan é o atual  campeão Mundial de BMX na categoria cruiser 15-16 anos  .  O bronze ficou com o equatoriano Gonzalo Lopes. O brasileiro Guilherme Pussieldi foi 5º colocado.  No feminino, mais um ouro para a Colômbia com o ouro sendo conquistado pela atual campeã pan-americana na categoria 16 anos  Ana Sofia Cadavid, integrante do programa de Talentos Postobón que busca revelar novos valores para o ciclismo colombiano .  A prata ficou com a equatoriana Romina Urgilez e o bonze foi para a chilena Martina Paz.  A atual campeã brasileira da categoria 15/16 anos da cidade de Votorantim,  Lauren Castanho obteve a  7ª posição na final.

Pedro Pussieldi ficou com a 5ª colocação na prova de BMX Racing – WanderRobert/Exemplus/COB

A prova de estrada – também conhecida como prova em linha ou de resistência, fechou o programa das provas de ciclismo dos Jogos Sul Americanos da Juventude e  foi disputada em um circuito de 4 km nas ruas centrais de Santiago com a chegada sendo disputada diante do Palácio de La Moneda.

No feminino as chilenas dominaram a competição e  se apoderaram totalmente do pódio fazendo um incrível “1, 2 e 3” .  A primeira posição ficou com Aiyélen Leal, seguida por Paulina Véjar e Catalina Soto. Porém segundo as regras da ODESUR  um único país não pode ocupar os três lugares do pódio, com isso a quarta colocada, a venezuelana Maria Daza recebeu a medalha de bronze.  A brasileira Amanda Kunkel, única representante do país na prova de estrada e  provável candidata a figurar nas primeiras posições, rodou  toda a prova na frente do pelotão e estava sempre bem colocada, mas no último quilômetro envolveu-se em  uma queda junto a outras ciclistas que a tirou da disputa pela chegada.

Para a prova masculina o Brasil entrou com uma seleção formada por Artur Simeoni, Gustavo Xavier e Vinicius Guimaraes .  Com a participação de três ciclistas ficou fortalecido o trabalho de equipe. Os adversários também entraram com equipes fortes: os argentinos, venezuelanos e  colombianos tinham cada uma 5 ciclistas na disputa.

Os 60 km foram de muita tática, com muita marcação e a definição só aconteceu nos quilômetros finais, na última volta quando um grupo de três ciclistas  se destaca do pelotão  – entre eles estava o brasileiro Gustavo Xavier. O trio consegue uma pequena vantagem para disputar o sprint, aonde o argentino Yoel Vargas soubre aproveitar das suas qualidades de velocista para  se impôr diante do venezuelano Francisco Sandoval e do brasileiro Gustavo.  O argentino, que havia conquistado o ouro na velocidade por equipes, obteve sua segunda medalha de ouro na competição.

O pelotão feminino passando pelo Palácio de la Moneda – com a Amanda Kunkel em destaque – Photosport/Santiago2017

Quem também saiu com duas medalhas  de bronze foi o brasileiro Gustavo Xavier, uma no  XCO (mountain bike cross country) e a surpreendente medalha na prova de estrada. Sobre a conquista na estrada o ciclista declarou: “Participar dos Jogos já foi incrível e terminar tendo conquistado duas medalhas é ainda mais especial. Como sou atleta do Mountain Bike, acabei sendo o elemento surpresa da equipe e tudo saiu como planejado. Estou muito feliz pela medalha conquistada e agradeço a confederação pela oportunidade, toda a comissão técnica pelo apoio, meus companheiros de equipe e minha família que está sempre me apoiando”.

Momentos decisivos: Gustavo Xavier no comando do ataque que foi para a disputa do sprint – Photosport/Santiago2017

O Time Brasil deixa a capital chilena trazendo em sua bagagem 152 medalhas  (61 de ouro, 45 de prata e 46 de bronze). Das 21 modalidades com brasileiros, 20 subiram ao pódio. O ciclismo contribuiu nessa conta com 5 medalhas.  Amanda Kunkel com a  medalha de prata na prova de Perseguição Individual e bronze no Contrarrelógio Individual;  Gustavo Xavier, com o bronze no  XCO MTB e na Estrada e a dupla Pedro Pussieldi e Vinicius Guimarães com o  bronze na prova de Velocidade por Equipes. Com esportistas entre os 14 e 17 anos, a geração que se prepara para as olimpíadas de  Paris 2024 apresentou suas credenciais em Santiago e, agora, a preparação de muitos desses jovens se volta para  para Buenos Aires, onde, em 2018, serão disputados os Jogos Olímpicos da Juventude.

 

II Jogos Sul Americanos da Juventude  – Santiago – Chile

29 de setembro a 8 de outubro

Contra-relógio individual

Masculino – 6 km

1- Hector Exequiel Quintana/Chile – 8m23s17

2- Miguel Angel Hoyos/Colômbia +4s19

3- Rodrigo Corro/Argentina  +6s47

4- Artur Guarda Simeoni/Brasil +10s20

Feminino – 4 km

1- Daniela Muñoz/Argentina – 5m57s30 –  vel. média 40.336 km/h

2- Maria Atahualpa Ortiz/Colômbia  +3s73

3- Amanda Kunkel/Brasil + 5s60

Mountain Bike

Parque Metropolitano- Cerro San Cristóbal

Eliminator circuito de 700 m

Masculino

1- Jeronimo Bedoya/Colômbia – 2m18s

2- Brayan Zubieta/Colômbia – 2m20s

3- Tomas Caulier/Chile –  2m29s

4- Gustavo de Oliveira Pereira Xavier /Brasil

Feminina

1- Catalina Vidaurre/Chile- 3m04s

2- Ana Villegas/Colômbia – 3m22s

3- Yarela Gonzalez/Chile – 3m29s

XC – Cross Country circuito de 2,5 km

Feminino – 6 voltas – 15 km

1- Ana Sofia Villegas/Colômbia-  1h10m46

2- Isabella Alban/Colômbia – 1h15m28

3- Catalina Vidaurre/Chile – 1h16m50

Masculino 7 voltas –  17,5 km

1- Jeromimo Bedoya/Colômbia – 59m11s

2- Romulo Moscoso/Equador – 1h00s03

3- Gustavo Xavier/Brasil – 1h01m08s

Velóromo Peñalolen

Omnium

Feminina

1- Catalina Soto/Chile – 137 pontos

2- Maria Atahualpa/Colômbia – 129 pontos

3- Elizabeth Castaño/Colômbia – 116 pontos

4- Amanda Kunkel/Brasil – 99 pontos

Masculino

1- Miguel Angel Hoyos/Colômbia – 126 pontos

2- Jacob Decar/Chile – 119 pontos

3- Rodrigo Corro/Argentina – 118 pontos

9 – Vinicius Guimarães da Cruz – 79 pontos

Perseguição Individual 2.000 m

Masculino

1- Miguel Angel Hoyos /colômbia – 2m17s450

2- Hector Exequiel Quintana/Chile – 2m18s409

3- Andres Giovanni Pardo/Colômbia – 2m21s571

4- Hardy Scheihing/Chile – 2m22s012

7- Artur Simeoni/Brasil – 2m27s087

Feminina

1- Catalina Soto /Chile – 2m32s127

2- Amanda Kunkel/Brasil – 2m34s507

3- Maria Atahualpa Ortiz/Colômbia – 2m38s869

4- Daniela Muñoz/Argentina – 2m39s377

 

Velocidade por Equipes – 500 m

Feminina

1- Venezuela/Nazaret Coromoto- Luysimar Garrido – 37s452

2- Chile / Aiyelen Pia Leal-Lourdes Alfaro – 38s698

3- Côlombia/ Estefani Rodriguez-Laura Velasquez – 39s500

4- Argentina/Geraldine Mazzuchini-Daniela Muñoz – 39s795

Masculino

1- Argentina/Alan Celentano -Yoel Vargas – 33s493 – vel.média  53.753 km/h

2- Chile/Jacob Decar-Tomaz Quiroz – 33s750

3- Brasil/Vinicius da Cruz-Pedro Pussieldi -34s380

4- Colômbia/Juan Jose Santamaria-Juan Pablo Lopera – 34s853

 

BMX Racing – Pista do complexo de Peñalolen

Feminina

1- Ana Sofia Cadavid Idarriaga/Colômbia

2- Romina Gabriela Miranda/Equador

3- Martina Paz Timis/Chile

7- Lauren Castanho Vieira/Brasil

Masculino

1- Juan Ramirez/Colombia

2- Samuel Zapata/Colômbia

3- Gonzalo Rengel/Equador

5- Pedro Pussieldi/Brasil

Domínio absoluto das chilenas na prova de estrada – Photosport/Santiago2017

Prova de Estrada disputada em circuito de 4 km nas ruas centrais de Santiago

Feminina – 40 km – 10 voltas no circuito de 4 km – 21 competidoras

1- Aiyelen Pia Leal/Chile –  1h06m44s – vel. média 35.964 km/h

2- Paulina Denis Vejar/Chile –  m/t

3- Catalina Anais Soto/Chile – m/t

DNF – Amanda Klunel/Brasil – não completou a prova

Masculina – 60km – 15 voltas no circuito de 4 km –  24 competidores

1- Yoel Agustin Vargas/Argentina – 1h29m50s – vel. média 40.074 km/h

2- Francisco José Peñuela/Venezuela – 1h29m50s

3-  Gustavo Xavier/Brasil – 1h29m50s

15- Vinicius Guimarães/Brasil a 27s

17- Artur Guarda Simeoni/Brasil a 29s

Deixe uma resposta