MACONHA E BICICLETA RODAM JUNTAS?

Polêmica à vista:  Segundo estudo  feito por pesquisadores da Alemanha e da Áustria o consumo de maconha não traz riscos adicionais quanto a coordenação motora e ao sentido de alerta para quem pedala. Mas atenção: o estudo deixa claro, isso só rola para quem  já é usuário regular da cannabis.

cycling-with-cannabis-greenrushdaily-715x400

O teste foi realizado com 14 ciclistas que consomem maconha regularmente – foto: TheNextWeb.com

Em um artigo recentemente publicado pela revista International Jornal of Legal Medicine, médicos da Alemanha e Áustria chegaram a conclusão que pedalar após fumar um cigarro de maconha não é perigoso “Para avaliar os efeitos da cannabis sobre a capacidade necessária para andar de bicicleta, testes práticos de repetição e exames médicos foram realizados antes e após o consumo por inalação de cannabis”, afirma o resumo do estudo.

Para o teste foram convocadas 14 pessoas (12 homens e 2 mulheres) que deveriam ser declaradamente habituais consumidores de maconha que deveriam pedalar por um percurso pré-determinado .  As primeiras voltas “caretas” e depois pedalaram após fumar um, dois e até três cigarrinhos. A todos participantes do ensaio foram dadas instruções especificas dos especialistas: os participantes no experimento deveriam dar um tapinha inalando a fumaça durante 4 segundos, segurar a fumaça por 10 segundos e expirar durante 15 segundos, e depois dá-lhe pedal. A maconha do teste foi cultivada por um produtor holandês, autorizado para fins de investigação pela governo alemão. Na tabulação da pesquisa os erros como pedalar fora da pista, derrubar obstáculos, passar o semáforo vermelho recebiam uma determinada pontuação.

Diagrama do percurso

Diagrama do percurso por onde as 14 pessoas fizeram o teste “caretas e doidões” 

Após analisar os resultados os  pesquisadores chegaram à seguinte conclusão: “Quase nenhum distúrbio da coordenação pôde ser detectado sob a influencia de concentrações elevadas ou muito elevadas de THC… em média, por conseguinte, não há aumento do número de erros após o consumo de cannabis”.  Embora seja verdade que a maioria dos erros “graves” ocorreu quando eles estavam sob os efeitos da marijuana , não foi detectada perturbação para a coordenação quando os voluntários do teste estavam  sob a influência de níveis elevados ou muito elevados de THC”, observa o estudo publicado no International Journal of Legal Medicine, mas também deixam claro que o experimento não foi concebido para ser interpretado como evidência de que a condução sob a influência da maconha seja seguro ( e deixam claro que – ainda – é ilegal fazê-lo, e não é recomendado).

Os pesquisadores não conseguiram chegar a um valor que determinasse a incapacidade de pedalar uma bicicleta, apesar de que algumas características de “estado mais elevado” podem ser registradas facilmente pelas autoridades com os exames médicos de rotina feitos em pessoas suspeitas de dirigir sob a influência de álcool ou drogas.

Especificamente, eles descobriram que fazem o esporte sobre duas rodas depois de consumir cannabis não parece ter uma influência negativa sobre a capacidade do indivíduo de dirigir com segurança

em Medelín, Colômbia, a "Primeira Bicicletada Canábica", evento que reuniu ciclistas que apoiam o uso de maconha. A substância foi legalizada no país em junho deste ano

Em outubro de 2012 em Medellín, Colômbia, aconteceu a  “Primeira Bicicletada Canábica”, evento que reuniu ciclistas que apoiam o uso de maconha; naquele país o uso da substância é descriminalizado. Foto: EFE

Porém para quem se empolga com do estudo, é bom tomar alguns cuidados, pois os pesquisadores deixam claro que os indivíduos que fizeram o teste eram usuários regulares de maconha, e os resultados dos testes parecem confirmar que esses indivíduos respondem de forma diferente aos estímulos do THC, o principal componente psicoativo da maconha, do que os não-usuários. Quanto mais frequentemente uma pessoa fumar, maior será sua tolerância. Cada cigarrinho do teste era personalizado contendo 300 microgramas de THC por quilograma de peso corporal do ciclista. Tudo isso  mais ou menos quer dizer que “pedalar e fumar um” é coisa apenas para iniciados.

Os especialistas alertam também que este teste não pode ser aplicado aos condutores de veículos motorizados;  isso dependeria de um  outro tipo de estudo. No entanto, os resultados são um alívio para todos os fãs de maconha que gostam de desfrutar de belas paisagens em duas rodas e este é um passo em frente para a investigação científica no mundo da cannabis e ainda será tema de muito debate e polêmicas…

 

E se você se interessou pelo estudo, pode acessá-lo por aqui, mas custa 39,95 dólares: Os efeitos da maconha sobre a capacidade dos consumidores regulares de cannabis a andar de bicicleta

4 comentário em MACONHA E BICICLETA RODAM JUNTAS?

  1. Isaac disse:

    Quando esse teste vem agora o Brasil, queria me candidatar como voluntário…

Deixe uma resposta