SHIMANO STEPS MTB: MUITO ALÉM DA MOBILIDADE

As bicicletas elétricas estão indo muito além do uso urbano. A Shimano acaba de apresentar a nova linha de motores elétricos para uso fora de estrada.  Steps MTB E8000 é uma evolução dos modelos E6000 para uso urbano, e que agora elevam o prazer da pedalara para as trilhas e caminhos mais duros. As e-bikes chegaram às trilhas e a Shimano entra firme na disputa por esse mercado

 

Shimano STePS MTB - potência garantida para encarar trilhas mais difíceis

Shimano STePS MTB – potência garantida para encarar trilhas mais difíceis

A brincadeira está ficando cada vez mais séria e agora ficará difícil o argumento de que a subida era dura, que o joelho “tá comprometido”, enfim praticamente não há mais desculpas para ficar longe das trilhas com a chegada dos novos motores elétricos para pedalada assistida da linha Shimano Steps MTB. Com o auxílio desses novos motorzinhos, agora é possível acompanhar os amigos com maior condição física e chegar lá no alto sem tanto sofrimento, o que certamente para muitos garantirá um maior prazer de pedalar e de fazer percursos mais difíceis, aptidão física e certa habilidade podem não ser mais o fator determinante para que você não encare as trilhas.

Ainda sem previsão de lançamento no mercado brasileiro, mas com previsão para o mês de outubro deste ano para a Europa e Estados Unidos, a unidade motora denominada E8000 é leve e compacta, foi projetada especificamente para sua utilização offroad e para garantir ao ciclista a sensação natural de pedalar. O grupo motor é compacto, e possibilita ao fabricantes de bicicletas a construção de quadros com traseiras mais curtas, como resultado as bicicletas são mais ágeis e de maior manobrabilidade. Tudo isso é atingido com a leve e compacta unidade motora E8000, projetada sob o conceito de ser um grupo intuitivo, que proporcione uma sensação natural para o ciclista além de ter a potência adequada para as subidas mais íngremes despejando um torque de 70Nm

A unidade motora é compacta e está alojada em um triangulo ideal montado em torno do movimento central, de modo a garantir uma melhor transferência de forças no momento em que o ciclista aplica força sobre as pedivelas , o que permite aos fabricantes de bicicletas fazerem quadros de MTB elétricas com chain stays mais curtos, criando bicicletas mais ágeis e deixando as condições ideais para que suspensão e pneus trabalhem dentro de seus padrões. Como se trata de um motor a peça de design compacto tem aletas de refrigeração para dissipar o calor gerado pelo motor.

Um motor compacto possibilita traseiras mais curtas e um central de 175mm garante um Fator Q bem próximo de uma MTB normal

Um motor compacto possibilita traseiras mais curtas e um central de 175mm garante um Fator Q bem próximo de uma MTB normal

A pedivela tem um reduzido fator-Q (ou  Q-factor) estreito fazendo com que os ciclistas sintam-se como se estivessem pedalando uma mountain bike comum e com isso garantindo uma posição mais confortável para as pedaladas . A unidade motora é leve, controlada por um comando  com três configurações para os mais diferentes tipos de passeio e terreno – Eco, Trail e Boost  e também a opção caminhada assistida para aqueles momentos em que o ciclista opta por empurrar a bicicleta sem que ela fuga do seu controle.

com 500Wh

A bateria tem uma potência de 500Wh e foi desenvolvida para aguentar impactos, vibrações e é impermeável. 

Os novos componentes E8000 foram pensados para trazer ao mundo do mountain bike todos os benefícios de uma bicicleta elétrica, e são a continuidade do  projeto E6000, lançado em  2013 com foco no uso urbano e no lazer. A proposta nesse novo grupo é colocar toda a evolução e know-how tecnológico dos componentes de mountain bike em um componente pensado para uma bicicleta elétrica que poderá ser usada ao extremo graças ao potente motor DU-E8000 e à bateria de grande capacidade (BT-E8010), com 500Wh, de grande duração e com recargas consistentes;  contando também com opção de bateria para montagem no tubo inferior da bicicleta (BM-E8010); a bateria tem um design reduzido que não agride o visual da bicicleta, além disso é resistente a impactos, a vibração e a prova d’àgua.

Seguindo os conceitos de segurança o STEPS MTB tem um limitador de velocidade, com isso ao atingir a velocidade pré-determinada pelo fabricante o motor corta a potência extra, evitando que as trilhas se transformem em locais perigosos com bicicletas circulando em alta velocidade.

Display e comando do sistema STEP MTB

Display com central de comando e trocador do sistema STEPS MTB

A força motriz é transmitida por meio de um conjunto de pedivela coroa específica – e-MTB, que inclui o pedivela FC-E8050/E8000 e coroa de 34 ou 38 dentes (SM-CRE80-B/CRE80) com o mesmo perfil da linha Deore XT, além disso pode ser utilizado  um dispositivo guia de corrente opcional (SM-CDE80).  São duas opções de pedivela, uma oca compatível com os modelos XT e a solida da família Deore; o movimento central é do tipo Hollowtech-II.

O sistema é controlado por meio de um micro-computador (SC-E8000) que faz a gestão e fornece toda a informação através de um display  de tela LCD aonde aparecem informações de marcha utilizada, tipo de assistência à pedalada, carga da bateria e velocidade. Os comandos do motor são feitos através do trocador Firebolt (SW-E8000-L) e de um sensor de velocidade instalado na roda traseira (SM-DUE10). O restos dos componentes de transmissão podem ser da família Di2 MTB XTR ou  XT – eletrônicos ou os mecânicos de 10 ou 11 velocidades.

Os ajustes do STEPS MTB podem ser realizados via Bluetooth graças ao software E-TUBE que permite a personalização ou alteração do set-up por meio de computador, tablet ou smartphone.

O motorzinho promete muita diversão, agora resta saber quando e qual será o preço desse “brinquedinho” quando chegar ao Brasil.

 

 

 

Deixe uma resposta