STARTUP AREVO FAZ QUADRO DE ALTA QUALIDADE EM CARBONO POR “APENAS” USD300

A startup Arevo,  fundada por ex-executivo da Google e Amazon, já levantou quase 20 milhões de dólares de investidores para desenvolver a tecnologia de impressão em 3D em fibra de carbono. Para mostrar ao mundo seu novo método de produção, desenvolveu um quadro de bicicleta a um custo de 300 dólares. Segundo a Arevo, o mesmo quadro se construído da maneira tradicional na Ásia, custaria ao menos o dobro do preço

O quadro foi projetado pelo Studio West, reconhecido pelo seu trabalho no desenvolvimento para a indústria da bicicleta – foto: Reuters

A Arevo, uma startup localizada no Vale do Silício, na Califórnia,  esta trabalhando no “pulo do gato”  na fabricação de peças em fibra de carbono. Graças a software especifico,  potentes impressoras 3D e a utilização de robótica de seis eixos foi possível automatizar o processo de produção em fibra de carbono, reduzindo o preço final das  peças.

A técnica tradicional de se trabalhar com a fibra de carbono é a de se aplicar manualmente as mantas de fibra de carbono sobre um molde, depois tudo isso é  impregnada com  resina e com o produto semi-pronto é colocado em uma autoclave –  forno – para unir a resina e as camadas de fibra.

Cabeça de impressão montada em um braço robótico para produzir o quadro da bicicleta – Foto: Stephen Lam/Reuters

Com a impressão em 3D , o processo é automatizado reduzindo custos com mão de obra, assim esse ganho é revertido na qualidade das matérias primas e no resultado final.  A tecnologia da Arevo, chamada de Free Motion Printing , usa uma cabeça de impressão montada em um braço robótico para produzir o quadro da bicicleta (ou outras peças)  em três dimensões. A cabeça deposita as fibras de carbono em todos os eixos conforme o projeto e funde um termoplástico para colar as fibras, em uma única etapa, garantindo maiores opções de desenho. Com esse processo a startup conseguiu produzir um quadro de carbono de alta qualidade, no Vale do Silício por um preço de  300 dólares (R$ 1.200), segundo a empresa um modelo similar custaria, se produzido na Ásia, pelo menos o dobro.

A bicicleta da Arevo foi criada em colaboração com o Studio West  que conseguiu desenvolver um quadro de fibra de carbono de alta tecnologia, leve, resistente e com um design simplificado com soluções inovadoras.  O estúdio já desenvolveu projetos para a Giant, Scott , Cannondale, Greg LeMond, Diamond Back, entre outras. O fabricante garante que com esse processo será possível a fabricação de quadros sob medida.  O quadro foi apresentado montado com o grupo Shimano Alfine com correia dentada Carbon Drive da Gates.

foto: Arevo

Segundo Jim Miller, um dos executivos da Arevo: “Estamos em linha com o que custa produzir um quadro na Ásia. Como o custo de trabalho é muito menor, podemos trazer de volta a produção dos compósitos”, sinalizando que o projeto pode ser uma volta para casa de alguns fabricantes de bicicletas estadunidenses que levaram sua produção para a Ásia, Miller comentou que a empresa está negociando com fabricantes locais.  A ideia vai de encontro com a política que vem sendo adotada por Washington de buscar pelo resgate do “Made in USA”. Difícil por enquanto, é saber se a indústria da bicicleta entrará nesse movimento, sites do setor não davam como certa a produção da bicicleta, e apontavam em mais um movimento de apresentação da tecnologia e da velocidade no desenvolvimento de projetos da empresa.

A Arevo tem tecnologia para muito mais que quadros de bicicletas, e a proposta é para o fornecimento de peças para a indústria aeroespacial pois a tecnologia de impressão da pode ser montada sobre trilhos para a produção de peças maiores em blocos únicos , o que evita a necessidade de grandes fornos para produzi-las pelo processo tradicional. Para ter uma ideia do potencial de desenvolvimento, a empresa levou apenas 18 dias do inicio ao fim do projeto de um quadro de bicicleta.

Executivos da Arevo Labs, : Jim Miller, Wiener Mondesir e Hemant Bheda apresentam o seu quadro de fibra de carbono – Foto: Stephen Lam/Reuters

Jim Miller é o novo CEO da empresa, antes havia passado pelo Google e na Amazon, supervisionando a expansão deste último de um site de venda de livros para uma plataforma de atendimento em larga escala como vice-presidente de Supply Chain. Como vice-presidente de operações mundiais do Google, ele liderou a equipe que criou a infraestrutura principal da empresa, incluindo o mecanismo de pesquisa, o YouTube, o Gmail, a publicidade e os negócios na nuvem.

Para levar adiante o seu projeto, a Arevo conseguiu,  no ultimo dia 16 maio,  US$ 12,5  milhões de financiamento da Série B (de risco)  liderado pela Asahi Glass, com participação da  Sumitomo Corporation of Americas, Leslie Ventures e  Kholsa Ventures, a última liderou a rodada de financiamento de 2016 da Arevo, com valores totais que chegam próximo aos 20 milhões de dólares.  Entre os investidores também aparece a In-Q-Tel, empresa de investimentos ligada à CIA.

O financiamento ajudará a empresa a passar da fase de pesquisa e desenvolvimento e se concentrar na comercialização em larga escala de sua tecnologia, resta saber se realmente a startup ou alguma associada investirá realmente na produção de quadros de bicicleta.

Deixe um comentário