USO DA BICICLETA NA CAPITAL PAULISTA ADICIONARIA 870 MILHÕES AO PIB DA CIDADE

Pesquisa Impacto Social do Uso da Bicicleta em São Paulo,  realizada pelo CEBRAP e patrocinada pelo Banco Itaú, apresenta dados importantes sobre o impacto que a utilização da bicicleta promoveria na economia da cidade de São Paulo

Mais que um grande negócio, a bicicleta pode ajudar a impulsionar a economia da cidade de São Paulo

Apresentado no último dia 10 de maio o estudo Impacto Social do Uso da Bicicleta em São Paulo, foi elaborado pelo CEBRAP, com o patrocínio do banco Itaú. Realizada  entre junho e dezembro de 2017, a pesquisa fez 1100 entrevistas em domicílio a partir de uma amostra da população do município de São Paulo e outra complementar com usuários de bicicletas. O objetivo foi estimar o impacto do uso da bicicleta no município de São Paulo em três áreas: meio ambiente, saúde e economia [tanto na dimensão individual quanto na social].

Entre as informações apresentadas o estudo mostra que o Produto Interno Bruto (PIB) da cidade de são Paulo teria um acréscimo de R$ 870 milhões se parte dos trajetos feitos com automóveis fossem realizados por bicicletas.

A conta apresentada é muito clara e aponta diretamente ao ganho de produtividade promovido pela diminuição do tempo diário gasto no trânsito pelos usuários da bicicleta. A pesquisa também aponta para um importante impacto na renda individual dos usuários.  Para indivíduos das classes C e D, seria uma  economia de 14% na renda mensal, em média  R$ 214.

Para essas informações,  os trechos considerados para a substituição dos carros e ônibus por bicicletas tomam por base uma viagem de até 8 quilômetros.  “Os ganhos [para o PIB] poderiam ser ainda maiores se a troca pela bicicleta acontecesse em mais cenários”, diz Carlos Torres Freire, coordenador do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento – CEBRAP – responsável pela elaboração do trabalho.

O vídeo “Impacto Social do Uso da Bicicleta em São Paulo” é o primeiro da série mensal #CebrapPesquisa, que vai divulgar trabalhos em andamento do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento – Pesquisa coordenada por Carlos Torres Freire, Victor Calil e Graziela Castello – vídeo: Eduardo Asta. 

 

Ainda segundo o estudo, a utilização da bicicleta provocaria impactos no setor da saúde com uma economia anual de R$ 34 milhões,   considerando apenas a redução das possibilidades de internações por doenças do sistema circulatório e diabetes, isso sem citar despesas com medicamentos.

Além da diabetes e de problemas circulatórios, as pessoas regularmente ativas têm menor probabilidade de ter problemas relacionados a câncer de mama e cólon, osteoporose, depressão e ansiedade. O estudo mostra que, entre os ciclistas, a proporção de indivíduos regularmente ativos – que têm menor probabilidade de desenvolver uma série de doenças – é três vezes maior que a da população geral.

Em conjunto com a economia, outro fator importante seria a grande contribuição ambiental, com a  redução das emissões de CO²  com a substituição da bicicleta por veículos automotores. Se essa troca ocorresse nas viagens de até oito quilômetros realizadas entre 6h e 20h por pessoas de até 50 anos de idade, 31% dos trajetos de ônibus e 43% dos percursos de carro não aconteceriam.

Atualmente as estimativas são de que os ciclistas, já sejam responsáveis por uma redução de 3% na emissão de CO²  levando em conta apenas o transporte de passageiros na cidade de São Paulo.  As projeções apontam para uma potencial redução de 18%  se fosse atingido o potencial ciclável  dos deslocamentos da cidade.

Durante a apresentação do estudo, a superintendente de relações governamentais do Itaú, Luciana Nicola, declarou  “Muitas pessoas ainda são bastante apegadas aos carros. É importante mudar esse pensamento para promover o melhor uso do espaço público”.

Apesar de todas as vantagens, a pesquisa traz um dado para ser levado muito em conta: apenas 31% da população está disposta a utilizar a bicicleta como meio de transporte diariamente.  Para mudar essa indisposição é necessário ações dos órgãos públicos e campanhas educativas e de conscientização, os ganhos são muitos.

Link para o Download da pesquisa:  Impacto Social do uso da bicicleta na cidade de São Paulo

 

Deixe um comentário